• Instituto CITA

Dora Nascimento Vive!


22 de Agosto de 2020, o movimento de arte e cultura da Zona Sul e Taboão da Serra está de luto. Nesse dia a Dora Nascimento, nossa Dorinha, atriz, produtora e articuladora de mil e uma coisas nos deixou.


Ela desenvolveu trabalhos na Fábrica de Cultura do Capão Redondo, na ONG Músicos do Futuro, junto ao Grupo Candearte, Cia Encena, e mais um monte de coisas com vários outros grupos e espaços, porque ela era imensa.


Nesse sábado chuvoso e gelado, as redes sociais que geralmente atuam em bolhas, pipocaram em homenagens e mulheragens de pessoas de todos os tipos, demonstrando o quanto ela era gigante, diversa, grande mesmo sabe? Uma presença extremamente importante em tudo aquilo que fazia. 





Nos últimos tempos, o que a gente sabe é que a Dorinha integrava a equipe da FeliZS – Feira Literária da Zona Sul, e estava deslanchando por aí com sua própria produtora, a Belbellita. Entre 2017 e 2019 ela coordenou a Casa de Cultura do Campo Limpo, e foi com certeza nesse período que a gente mais esteve próximo dessa mulher-potência, pensando juntxs dela e da linda equipe da casa, formas de movimentar nosso território e o nosso quintalzão, a Praça do Campo Limpo.


Foto: JC Sena


Luz, resume o que ela deixava em qualquer lugar que passasse, resume seu sorriso largo e gargalhada contagiante.


Iluminar era o que ela bem sabia fazer, fosse numa mensagem de whatsapp dizendo: “Fia, tou tendo umas idéias aqui, quando puder conversar...” ou “Fia, posso passar aí? Queria levar umas coisinhas procêis” ou “Fia, passa aqui mais tarde, tem uma comidinha gostosa”.  Ela iluminou sem nem pensar em receber nada de volta. Dora era essa figura que doava os dias úteis e as madrugadas dela pra muitos “alguéns”.




Não fosse Maria das Dores, “Ação” poderia ser seu nome. De dores ela não demonstrava era nada... Acho importante dizer que não demonstrava, o que não significa que não sentia né? Afinal, ser protagonista e maravilhosa como ela sempre foi, está carregado de muita luz e alegria sim, mas muitas dores também. E é isso... ela sabia como ninguém partilhar e fazer o que fosse necessário para as coisas acontecerem. 


Dora, Dorinha, Dora Aventureira! Ação sempre foi o seu nome.

“Bora fazer! Tirar as cadeiras do lugar, botar mesa no cantinho aqui ou ali, como fica mais bonito? Trouxe uns paninhos coloridos, uns vasinhos de flor pra enfeitar e presentear as mulheres no final, fia. E se a gente fizer uma mesa coletiva? Cada um traz um pouquinho e a gente divide tudo?”



É o que a gente sempre diz: pra trabalhar com cultura, é legal estar por inteiro, gostar de gente e pensar coletivamente. E nesses quesitos, a Dorinha era mestra em todos.




Câmeras! Que sigam voltadas para ela pra guardar esse sorriso e tudo o que ela realizou. Pra não deixar esquecer o quanto é importante viver e registrar cada momento. E que bom que muitas câmeras registraram sua existência e o tantão de coisas que ela movimentou.






A Dora havia descoberto um câncer no pâncreas logo no comecinho deste ano, mas danada que era, seguiu em movimento, fazendo planos e trabalhando de casa.


Por hora, seguiremos aqui, em luta, juntXs, buscando cuidar uns dos outros, fazendo de tudo para praticar esse tanto de aprendizado que tivemos com você.


Muito obrigada por tudo Dorinha!


Luzes, Câmeras, Ações! Dora Nascimento Vive!

Foto: Sheila Signario

204 visualizações

   © 2019 Espaço CITA

  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black Youtube Icon
  • Black Instagram Icon

Espaço Cultural CITA - Rua Aroldo de Azevedo, 20

  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black Youtube Icon
  • Black Instagram Icon